quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

SEGUINDO O MEU CAMINHO



Histórias de vida de um caminhante


Só correndo mundo, se sabe que o mundo existe. É com grande prazer, que estou a aprender, a ser dono, dona, e empregada de casa. Não é fácil, mas é sempre um desafio, uma aprendizagem. Se não tiver outros atractivos, terá no mínimo a virtude de darmos um melhor e mais completo valor à vida. É bom voltar à cozinha, para mais algo que só comer. Agora estou presente para tudo o que se possa imaginar, fazer na cozinha, é um desafio, aliciante. Gosto de cozinha, e cozinho menos mal.
Uma vida nova, um computador novo, com um Windows, que eu não conheço, e não domino nada bem. É por certo muitas coisas novas para a minha capacidade, analítica. Mais de metade dos sits, não consigo ainda abrir, mas vou comendo do que há. já abri o meu Hotmail, já vi as mensagens, só não consigo ainda responder às mesmas. Mas tenho esperança, que o tempo é um bom mestre.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O POR DO SOL















Até o que é belo, é simultaneamente tristonho


Nunca ouvi alguém dizer, não é bonito, mas a verdade é que encerra uma nostalgia profunda. É como que o anunciar, o fim de algo, neste caso da luz, do calor e do poder da criação. Sem o seu poder criador, pouco nasce e nada cresce, e pouco tempo depois, do pouco que nasce todo morre prematuramente.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

MARAVILHAS DO NOSSO TEMPO

3a8d885cf83d505a47

Esta fonte luminosa, é um espanto, só é pena deitar um fedor a petróleo que até enjoa. E porquê este cheira a petróleo? Porque ela está feita na terra dele.

A natureza é linda e maravilhosa, mas as invenções do homem, algumas também são bonitas. A jardinagem é uma arte linda também.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

UM RELAMPAGO

                 ONTEM, E HOJE.

Tudo na vida é efémero. Quer concordemos ou não. Ainda ontem eu nasci. Mentira? Será, se não levarmos em conta a lei da relatividade. Eu nasci há 74 anos e alguns meses numa casa muito semelhante a esta da foto, na sua aparência exterior. Era o betão armado da época, que se utilizava para a construção civil, ( num Portugal que ainda hoje o não é. ) O Xisto, a pedra e a argila, mais conhecida na minha terra pelo barro. Hoje, ainda existem muitas dessas casas, mas a sua maioria estão como se diz, ás moscas. Hoje já mais alguém ousa construir com estas matérias-primas, mesmo sendo mais seguras, e mais baratas, afinal quem paga tudo o é mesmo o Zé-povinho, que também gosta de estar na moda, ainda não há medalhas só com uma face. O finado António Gedião, diz na pedra filosofal: que o mundo ( pula e avança. ) Falta apenas saber a que custo, e para onde. Mas que o planeta está cansado, Isso é inegável. Basta para isso olharmos à nossa volta.

domingo, 12 de setembro de 2010

OS ULTIMOS















                                         
         ENCONTROS E DESENCONTROS.

Nem tudo na vida é mau, nem tudo é bom. Será porque só olho para a paisagem, que eu não encontro o que procuro? Eu só me sinto bem a olhar para a anatereza, perdão, para a natureza. Esta imagem por exemplo, é fascinante, eu adoro contempla-la. Eu gostava de ter: lugares, maquinas, mãos e capacidade para fazer fotos assim, a verdade é que pouco mais ou mais nada tenho feito, a não ser sonhar. Chegou o carteiro. Vou ver se a namorada escreveu. Não! Não escreveu, escreve amanhã. Da ilusão também se vive. E eu continuo na minha.

sábado, 22 de maio de 2010

há um tempo para tudo




HÁ UM TEMPO PARA TUDO
1º - CHEGA O TEMPO DO CONHECIMENTO.
2º - O TEMPO DE APLICAR O CONHECIMENTO.
3º - O TEMPO DE SABOREAR O CONHECIMENTO.
4º - CHEGA O TEMPO DE RECORDAR O CONHECIMENTO.
TODOS ESTES TEMPOS, SÃO MARAVILHOSOS, SE OS
SOUBERMOS APLICAR NO SEU DEVIDO TEMPO.
NUNCA TENHAS PREÇA, DE FAZER APLICAÇÕES,
USA-AS NO TEMPO CERTO.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Eu sou um caminhante, perdido no tempo, quero ver se me encontro, mas falta-me o alento. Talvez que um dia, encontre o sentido, e por ironia, deixe de andar perdido. e se assim for, que seja ben depressa, que eu encotre um amor, que bem me mereça.